08 fevereiro 2018

Gripe ou constipação: afinal qual é a diferença?

São as duas contagiosas, provocadas por vírus, têm sintomas comuns e tratamento idêntico. Mas a gripe é mais debilitante, costuma durar mais tempo e pode dar origem a complicações em alguns casos. Saiba como a pode distinguir da constipação.


A constipação é uma infeção viral do trato respiratório superior – nariz e garganta – e estima-se que seja a mais frequente de todas as doenças: os adultos têm, em média, dois a quatro episódios por ano. Há mais de duzentos vírus associados às constipações, mas os mais frequentes (mais de cem) são do tipo rinovírus.
A gripe é uma infeção respiratória aguda de curta duração que afeta também os pulmões, por norma é sazonal, com o pico nos meses de inverno. É causada pelos vírus influenza – de tipo A, B e C –, que vão sofrendo mutações ao longo do tempo, criando novas estirpes, razão pela qual nunca nos tornamos imunes a eles.
Sintomatologia
Os sintomas da constipação costumam ser progressivos: primeiro a sensação de garganta dorida ou a arranhar, cerca de dois dias depois congestão e obstrução nasal, espirros e olhos a lacrimejar.
A haver febre, é baixa, e não costumam surgir outros sintomas, como quebra acentuada do apetite, cansaço e dores de cabeça ou no corpo – exceção feita para, quando na fase posterior, a constipação acaba por afetar os seios perinasais e provocar sinusite, o que pode causar dores de cabeça.
Já a gripe costuma ser caraterizada por sintomas que surgem repentinamente, causam grande desconforto por dois ou três dias: mal-estar generalizado, dores musculares e articulares, febre que pode ser alta e sintomas nas vias áreas superiores.
Tanto no caso da gripe como no da constipação, os sintomas estão associados ao processo de defesa do sistema imunitário, que leva à eliminação do vírus.
A gripe pode, em alguns casos, evoluir para situações de pneumonia – no caso de sintomas muito intensos ou de duração superior a sete dias é aconselhável uma avaliação médica. Este cenário é mais provável quando o doente é idoso ou tem alguma doença ou condição que compromete o sistema imunitário.
O tratamento e a duração
Tanto a gripe como a constipação são doenças autolimitadas, ou seja: passam num período determinado de tempo, mesmo que não se faça nada. No caso da constipação, por norma cinco dias são suficientes até os sintomas desaparecerem. A gripe pode durar um pouco mais (cerca de oito dias) e um dos sintomas, a tosse, pode persistir várias semanas.
Tanto num caso como no outro, o tratamento passa sobretudo pelo alívio dos sintomas com medicamentos analgésicos e antipiréticos para baixar a febre e aliviar a dor e o mal-estar e soro fisiológico ou descongestionantes nasais para controlar a congestão nasal.
No caso da gripe, depois de já ter os primeiros sintomas, a prescrição de um antiviral pode atenuar os sintomas e reduzir-lhe a duração um ou dois dias. Os antibióticos só devem ser tomados por indicação médica porque não têm nenhum efeito sobre os vírus, mas antes sobre bactérias: só se justificam no caso de surgir uma infeção bacteriana como complicação.
Contágio e incubação
Ambos os vírus transmitem-se de pessoa para pessoa, através de gotículas contaminadas que se propagam pelo ar, ou do contacto das mãos com superfícies infetadas, entrando depois no organismo quando as levamos à boca ou ao nariz.
Tanto constipações como gripes são mais contagiosas desde um dia antes do início dos sintomas até cerca de sete dias após. Geralmente o período de incubação – o tempo entre a infeção e o início dos sintomas – vai de um a quatro dias.
A PREVENÇÃO
Não fumar e evitar espaços onde é fumador passivo.
Fazer uma dieta saudável e diversificada.
Praticar exercício físico frequentemente.
Ter uma boa higiene de sono e evitar níveis elevados de stress.
Sempre que possível, arejar os espaços fechados, em casa ou no trabalho.
Lavar as mãos com frequência, sobretudo depois de chegar da rua e do contacto com outras pessoas. Evitar levá-las aos olhos, à boca e ao nariz.
No caso de sintomas de gripe, não se dirija às urgências do hospital sem primeiro ligar para o número da Saúde 24 (808 24 24 24), onde pode tirar dúvidas sobre o tratamento e a necessidade de ser visto por um médico.
No caso da gripe, existe vacina – que não garante que não haja contágio mas que pode atenuar os sintomas. Deve ser administrada entre outubro e novembro às pessoas que têm um risco aumentado de complicações: idade superior a 65 anos, doenças crónicas ou outras patologias que dificultem a luta do corpo contra as infeções. Em caso de dúvida, aconselhe-se com o seu médico.

Fonte: www.noticiasmagazine.pt
Texto de Sofia Teixeira

© 2013 - Câmara Municipal de Viana do Alentejo Termos de Responsabilidades Condições de Privacidade made by |create| it |