Olaria

A Olaria é uma das mais antigas e tradicionais actividades da vila de Viana, lugar onde possui, desde há muito, um vasto historial. Olaria com características próprias, bem diferentes dos centros vizinhos. Possuindo razoáveis filões de matéria-prima - o barro - e dada a grande utilidade dos artigos cerâmicos, a classe de oleiros desenvolveu-se, sendo já no século XVII uma das mais numerosas da vila. A Olaria de Viana, foi caracterizada através dos tempos pelo seu aspecto aparentemente grosseiro, devido à não existência nas suas peças de motivos decorativos, o que hoje em dia já não acontece.

Especializados em loiça utilitária, os oleiros percorriam os mercados e feiras da região divulgando a sua arte e transformando-a numa das principais riquezas da sua comunidade. Entre as peças de barro utilitárias fabricadas pelos oleiros de Viana, deve-se destacar os tradicionais alguidares vidrados, que se destinam, entre outras coisas, a ser utilizados nas tradicionais matanças do porco, as bilhas, barris e cântaros para armazenar a água.

Em 1893, a Cooperativa Vianense "União Vinícola e Oleícola do Sul", pela mão do seu mentor António Isidoro de Sousa, considerando a inegável riqueza que a olaria produzia, resolveu congregar esforços para a fundação de uma Escola de Cerâmica, de forma a melhorar a formação técnica e artística dos futuros oleiros e a conquistar novos mercados.

Após a divulgação dos trabalhos existentes, numa exposição realizada nesse ano, foi conseguido o apoio de Bernardino Machado, então Ministro das Obras Públicas e, em 1894, a Escola foi edificada, não só a expensas do Ministério, mas principalmente da população e de organismos vianenses.  

 

Tendo sofrido diversas vicissitudes, nomeadamente a extinção da Cooperativa e o ingresso na propriedade do Estado em 1901, a Escola possibilitou o desenvolvimento dos conhecimentos técnicos dos oleiros e a criação artística, de que foram mestres José Albino Dias, Júlio Resende e Francisco Lagarto, até que, em 1948, ao ser anexada à Escola de Évora, perdeu a sua especialização original. Mas a tradição manteve-se, constituindo uma das maiores riquezas do nosso Património Artístico-Cultural.

Todavia e como é natural, ao longo da sua existência, foram sendo introduzidas alterações a vários níveis, na Olaria Vianense, as quais acarretaram como consequência, a melhoria das condições de trabalho do oleiro e uma produção em termos de qualidade final, bastante superior.

Para se obter a qualidade final que as peças artesanais têm hoje, houve necessidade de se sacrificar grande parte da genuinidade que caracterizava a Olaria Vianense. Efectivamente, pode-se constatar que se deram grandes mudanças em aspectos cruciais, como o facto de se ter deixado de recorrer por completo à matéria-prima local: ao barro e a outros produtos naturais complementares. A justificação para esse abandono, pode ser encontrada no facto de o processo de recolha e preparação, até há bem pouco tempo completamente artesanal, não permitir um barro de grande qualidade. Também em termos de custos, é menos trabalhoso e mais rentável adquirir o barro já embalado e pronto a trabalhar.

O recurso a novas tecnologias tornou-se imprescindível para a competição em termos de mercado. Assim, a roda, outrora impulsionada pela força humana, é agora uma roda eléctrica, diminuindo o esforço diariamente exigido ao oleiro e um significativo aumento da produção. Outra alteração, foi a aquisição de fornos eléctricos, que veio substituir aqueles construídos no pátio dos oleiros, feitos em alvenaria.

Outro acontecimento marcante na história da Olaria Vianense, deu-se com o enveredar pela pintura decorativa, embora nunca se tenham abandonado as peças utilitárias, como o tradicional alguidar.

A procura de um estilo próprio tem sido o desafio dos jovens oleiros, nesta vertente em que a arte aplicada é eminentemente popular, recorrendo-se a motivos geométricos, florais e representativos da paisagem e ambiência alentejanas. Desde então, a Olaria Alentejana tem-se feito representar assídua e meritoriamente nos principais certames de artesanato que se realizam ao longo de todo o ano, um pouco por todo o país. Este facto por si só, justifica por parte dos vianenses um maior interesse por esta arte que lhe é tão familiar. Com efeito, após um período áureo, com o funcionamento da escola, já aqui referida, a sua posterior desactivação, resultou em crise para a olaria, que atravessou tempos difíceis, não lhe sendo dispensada a atenção merecida. À falta de melhor meio, a transmissão de conhecimentos tem-se processado, ao longo de gerações, de pais para filhos.

A reactivação da Escola seria importante para promover o justo e o interesse por esta actividade junto dos jovens, com o surgimento recente das primeiras encomendas de empresários estrangeiros.

Outro factor a reter é que a maioria da mão-de-obra que pinta a cerâmica é feminina, contribuindo assim, para diminuição de desemprego de mulheres no concelho, e contribuindo para o seu desenvolvimento.

Este conjunto de medidas contribuiria definitivamente para o perpetuar da Olaria em Viana do Alentejo. Se assim for, seguramente que no século XXI, as gerações vindouras poderão apreciar e usufruir desta arte, que continua a ser um dos principais estandartes desta ainda bela vila transtagana.

 

Artesãos de Olaria - Cerâmica Tradicional e Decorativa

Feliciano António Mira Agostinho

Rua Cândido dos Reis, n.º 17
7090-238 Viana do Alentejo
tel. 266939273
telm. 968449999
email. miraagostinho@gmail.com
coordenadas. 38°19'59.71"N N 8° 0'5.28"W

António José Cavalete Lagarto

Rua da Fonte Figueira, n.º 18
7090-243 Viana do Alentejo
tel. 266939164
fax. 266939164
telm. 965086907
email. olarialagarto@iol.pt
coordenadas. 38°19'42.41"N 7°59'46.63"W

Feliciano António Branco Agostinho

Rua de Vila Nova, n.º5
7090-253 Viana do Alentejo
tel. 266953806
fax. 266939321
telm. 965642922
coordenadas. 38°19'52.32"N 8° 0'8.60"W

© 2013 - Câmara Municipal de Viana do Alentejo Termos de Responsabilidades Condições de Privacidade made by |create| it |